O tomate verde é visto por muitos como um alimento desprezível e pouco apetecível. Na verdade, a sua cor verde faz com que o produto não tenha o aspeto apetecível do tomate vermelho. E é compreensível, até porque culturalmente estamos habituados a que seja dessa forma.  

Porém, este grupo operacional acredita nas potencialidades deste produto. Acreditando acima de tudo, que estes são produtos que podem ser usados como forma de combate ao desperdício. Não fossem as várias toneladas que todos os anos acabam por ficar perdidas nos terrenos após a apanha das culturas de tomate.  

O que muita gente não sabe é do enorme número de benefícios que este produto possui. Por isso, neste artigo fazemos uma viagem consigo pelos benefícios do tomate verde. Prometemos que se irá surpreender.  

  1. Bastante útil para quem tem varizes  

Os tomates verdes contêm ácido acetilsalicílico. Este é um ácido que tem como benefícios a sua ação anticoagulante. Isto fará com que este produto possa ser usado como terapia alternativa ao tratamento das varizes. Coloque o tomate verde fatiado nas veias que mais se destacam e respira este processo várias vezes para obter melhores resultados. As varizes desaparecem gradualmente. Contudo, destacamos sempre a importância de aconselhamento médico. Uma vez que casos mais avançados podem implicar tratamentos mais especializados.  

  1. Equilíbrio de colesterol 

Os tomates verdes não têm colesterol. Para que tenha uma ideia cerca de 100 gramas de tomate verde oferece 1,20 gramas de proteína, que atua de forma a equilibrar o colesterol no sangue. Além disso, contém 0,20 gramas de gordura. As gorduras ligam o colesterol ao intestino. A vitamina B3 é outra das vitaminas presentes neste produto e tem um papel vital na redução do colesterol “mau”. 

  1. Acelera o processo de cicatrização 

O tomate verde possui bioflavonoides. Os bioflavonoides atuam como agente antibacteriano e anti-inflamatório, que acabam por auxiliar no processo de cicatrização devido à inflamação. Reduz respostas inflamatórias. 

  1. São aliados na saúde da sua pele  

Caso não saiba, a saúde da sua pele é outro dos beneficios do tomate verde. O tomates verdes é um ótimo aliado de beleza. Contém vitamina A  , potássio e vitamina C, conhecida por manter a frescura da pele. Mantém a elasticidade da pele, fazendo com que diminua a probabilidade de aparecimento de rugas precoces.  

  1. Dieta saudável 

Os tomates verdes são ótimos aleados de um estilo de vida saudável. São carregados de  fibras ,  hidratos de carbono, açúcar e proteínas que fornecem ao corpo a energia necessária. O consumo deste tomate, contribui para a diminuição das gorduras para a sua saúde.  

  1. Ajuda na formação de massa muscular 

Diversos estudos têm vindo a pesquisar o impacto do tomate no fortalecimento e crescimento muscular. Com isso, alguns estudos mostram que a presença de tomatidina ajuda na formação de massa muscular. 

  1. A saúde dos olhos 

Os tomates verdes são úteis para manter os olhos saudáveis. Uma vez que este alimento possui vitamina A considerada a vitamina crucial para manter a saúde ocular.  

Para quem não for grande fã de cenoura, o tomate verde é um ótimo substituto para manter os seus olhos saudáveis.  

Estas são algumas das vantagens que pode ter na sua saúde com o consumo de tomate verde. Contudo, não se esqueça que todos os benefícios só podem ser alcançados quando é seguido um estilo de vida saudável. Os alimentos são apenas o primeiro passo para manter a sua saúde, mas uma boa alimentação não dispensa as visitas regulares ao seu médico.  

Posto isto, dê asas à sua imaginação e inclua o tomate verde na sua dieta: a sua saúde agradece, e o ambiente também. 

tomate-industrial

A sustentabilidade agrícola é um tema cada vez mais falado. Encontrar formas de produzir mais, mas como mínimo impacto ambiental é cada vez mais uma prioridade. Por isso, com vista à promoção da inovação de setor agrícola foram criados diversos grupos operacionais, dentro dos quais se destaca o Greentaste.  

Mas o que é um Grupo Operacional? 

O termo parece estranho, mas na verdade é bem simples de explicar! Os Grupos Operacionais nada mais são do que parcerias constituídas por entidades publicas ou privadas que têm como objetivo desenvolver um plano de ação. 

No fundo estes grupos operacionais são grupos de estudo que visam desenvolver planos de ação que visem dar suporte à inovação no setor agrícola. Para cada um dos grupos é disposto um problema concreto ou oportunidades à produção – no caso específico do Greentaste estamos a falar do tomate verde.  

Para este Grupo Operacional é fundamental estudar todas as potencialidades do tomate verde, procurando alternativas e estratégias que ajudem a perceber de que forma este pode ser aproveitado. Evitando-se o desperdício que muitas vezes ocorre após as colheitas do tomate. Aquilo que se pretende é criar produtos que de alguma forma sejam do agrado do consumidor e que façam este produto ter uma segunda vida – seja ou não através de produtos como: molhos ou temperos.  

Quais são os objetivos concretos deste Grupo Operacional? 

  • Diminuir o desperdício alimentar. Todos os anos várias toneladas de tomate acabam por ficar no solo, por isso é importante desenvolver formas de aproveitar industrialmente este alimento. Que ainda que verde, possui imensas potencialidades;  
  • Criar uma nova forma de rendimento. Com a enorme quantidade de alimentos que ficam na terra, pode ser criada uma nova fonte de rendimento, fazendo com que o produto consiga ser vendido a entidades competentes para a produção de produtos que cheguem até ao consumidor final.  
  • Promover a saúde e o bem-estar. Este Grupo Operacional irá focar-se também em perceber as potencialidades do tomate ainda verde e de que forma ele pode desempenhar impacto positivo na saúde do consumidor final. Estes estudos recaem sobre a análise de valores probióticos do produto fermentado.  
  • Criar uma nova gama de produtos. Visando o desperdício o que se pretende é criar um produto que seja agradável ao consumo. Para isso a aposta recai sobre o desenvolvimento de uma nova gama de molhos e temperos à base de tomate verde.  
  • Criar um mercado nacional mais competitivo. Quando falamos do mercado internacional de molhos e temperos, sabemos bem a sua competitividade. Por isso, queremos conseguir criar uma vantagem competitiva que vise a acompanhar as tendências deste mercado. Procurando apresentar produtos estrategicamente mais competitivos.  

A verdade é que cada Grupo Operacional possui o seu objetivo especifico, mas todos eles possuem três grandes objetivos em comum. Porque no fundo todo o trabalho é feito a pensar num bem maior. Desses objetivos gerais, destacamos três objetivos específicos:  

  • Potencialização da agricultura portuguesa: no caso do tomate, não fosse este um produto de forte representação no setor agrícola. 
  • Reduzir o desperdício: Neste caso, visando a diminuição do desperdício alimentar;  
  • Divulgar, promover e informar: Este grupo operacional à semelhança dos restantes, pretende estimular formas de consumo de hortifruticulturas que sejam livres de conservantes ou outro tipo de aditivos artificiais. A nossa saúde agradece, e o nosso ambiente também.  

Porque na verdade, cuidar do nosso ambienta também é cuidarmos de nós.  

Esta é a época do ano com mais azafama em todas as casas.  Perceber o que cozinhar para toda a família pode ser sempre uma enorme dor de cabeça. Ainda para mais se estiver farto dos tradicionais pratos de natal.  

Para as famílias mais alternativas, ou que gostam de inovar, alterar o menu pode ser uma boa alternativa. Quem sabe até se não criam uma nova tradição de família para esta fase natalícia.  

Uma viagem no tempo  

Ao contrário do que muitos pensam, o tomate não é originário da Europa, e muito menos da Itália. A América foi a país que introduziu o uso deste fruto e foi no México que se tornou famoso.  

Falando no México, foi aqui também que o consumo de tomate verde se tornou uma realidade, não fosse este o fruto “secreto” para os sabores da comida Mexicana.  

Na verdade, o México existe dois molhos muito famosos: salsa vermelha e salsa verde. Tanto um molho como o outro são absolutamente saborosos e são um complemento incrível para tacos e tortilhas.  

Molho de tomate verde mexicano  

Esta história leva-nos até aqui. No artigo de hoje vamos ensiná-lo/a a preparar um molho de tomate verde mexicano. Quem sabe isto não seja o incentivo que precisa para preparar uma ceia de natal um pouco diferente. 

Esta é uma receita bastante simples e tem um tempo de preparação de cerca de uma hora. Mas calma, não desespere… prometemos que vai passar rápido, e vai ser um sucesso! 

Para esta receita vai precisar de alguns ingredientes, mas todos eles muito fáceis de encontrar em qualquer supermercado.  

Ingredientes:  

  • 6 tomates verdes 
  • 1 cebola 
  • 2 dentes de alho 
  • 4 pimentos verdes (sem sementes e picados) 
  • 1/2 molho de coentro picado (em pedaços de tamanho médio) 
  • 2 abacates 
  • 1/2 molho de salsa picada (em pedaços de tamanho médio) 
  • sumo de 2 limões  
  • 2 colheres (sopa) de azeite 
  • 1 pouco de sal e pimenta  

Modo de preparação: 

  1. Comece por cortar os tomates ao meio e retire as sementes e reserve-as. 
  2. Corte a polpa em cubinhos e reserve.  
  3. De seguida, corte também a cebola ao meio e rale-a para que fique bem fininha e reserve. 
  4. Pique os dentes de alho e esmague-o com o pimentão verde e uma pequena porção de sal até obter uma pasta homogénea.  
  5. De seguida, adicione ao preparado anterior, um pouco de coentros e a cebola. Continue a esmagar tudo até conseguir uma pasta verde (com um aspeto granulado);  
  6. Pegue novamente nas sementes do tomate, coloque-as numa peneira e retire todo o seu sumo. Este sumo deve ser adicionado à pasta previamente preparada.  
  7. Corte ao meio o abacate. Retire-lhe o caroço e corte o mesmo em pedaços de mais um menos 1cm e amace um pouco. A ideia não é que fique uma papa. Deve ver uns pedaços mais triturados e ouros mais inteiros.  
  8. À pasta anterior adicione o abacate a salsa e o restante coentro e envolva tudo. De seguida adicione, o sumo de limão e o azeite e misture tudo. Adicione uma pitada de sal e pimenta a gosto.  

Bem sabemos que se deve estar a questionar sobre todos estes ingredientes. Na verdade, é toda a mistura que faz deste molho ser tão famoso. Existe uma explosão de sabores. O abacate confere ao molho o doce. O tomate e o limão o ácido. E a pimenta o toque mais picante.  

O melhor ainda é que este produto fica bem com quase tudo! Pode adicionar este molho a sandes (para um lanche mais divertido) ou sobre grelhados.  

Como pode ver, esta é apenas mais uma das receitas que pode fazer em casa usando o tomate verde que tanto tem para nos oferecer.  

Agora conte-nos: Vai arriscar um prato diferente nesta época festiva? 

Também faz parte do grupo de pessoas que sempre ouviu que o tomate verde não é bom para comer? Não se preocupe não é o único. Bem sabemos que o tomate verde não é tão vibrante quanto o vermelho. Pelo menos visualmente. Contudo o tomate verde possui quais os mesmos nutrientes vitais que o vermelho.  

Uma ótima dica para comer o tomate verde é optar pelos verdes firmes e de pele mais lisa. 

Nesta publicação, vamos fazer uma viagem pelos benefícios do tomate verde para a nossa saúde.  

  1. A saúde ocular  

Um tomate verde de tamanho médio é rico em betacaroteno antioxidante e vitamina A. Tendo assim um importante papel na prevenção de doenças que originam a degeneração ocular. Que em alguns casos com a idade acaba por ser a principal causa de cegueira.  

  1. A vitamina c – o seu forte papel imunológico 

É verdade! O tomate verde também é carregado de vitamina C. Não fosse esta uma vitamina que desempenha um papel muito importante na nossa função imunológica. Contribuindo assim para a prevenção de doenças de carácter cardiovascular. A vitamina C, também ajuda em muito o corpo a absorver o ferro de alimentos à base de planas. Como é o caso do feijão e a lentilha. Fazendo assim da combinação entre o tomate e legumes, uma combinação bastante acertada!  

  1. Hidratação 

O tomate tem na sua consistência 94% de água. O que o torna num enorme aliado em meses mais quentes. Acabando assim por ajudar na reposição de líquidos que acabam por se perder com a transpiração. Ou com a prática de exercício físico.  

Alimentos ricos em água, como o tomate, têm ainda a vantagem de ajudar na função digestiva.  

Sabia que para obter ainda mais benefícios de hidratação fazer gaspacho com tomate verde é uma ótima opção? Esta opção permitirá que desfrute deste preparado alguns dias e é uma ótima sugestão.  

  1. A vitamina K – coagulação do sangue 

Admitimos que para muitos esta pode ser uma vitamina desconhecida. Mas a vitamina K ajuda a garantir uma coagulação normal do sangue. Assim como a manter a força e a densidade óssea.   

  1. Fibra  

O tomate verde é uma fonte natural de fibra, o que pode ajudar no sistema intestinal e digestivo. A verdade é que introduzir na nossa alimentação, alimentos ricos em fibras contribuem para prevenir contra diversas doenças. Tal com é defendido pela Harvard School of Public Health .  

Outras curiosidades: Sabia que 1 chávena de tomate verde fornece cálcio e potássio? Aproximadamente 23 miligramas de cálcio e 367 de potássio.  O tomate verde possui ainda proteínas, fósforo e magnésio.  

A verdade é que nunca se pode descartar uma dieta rica e equilibrada. Não sendo de forma alguma o consumo de tomate verde a solução para nenhuma patologia. Ou défice do organismo. No fundo, o que contribuiu para uma vida saudável é a prática de exercício físico aliado ao uma dieta rica e variada.  

O tomate verde por sua vez, tem revelado bastantes benefícios, tornando-se cada vez mais um produto famoso. Mesmo junto de grandes chefes de cozinha.  

Vendo as potencialidades desde produto e com vista à redução de desperdício, este Grupo Operacional procura potencializar o seu consumo. Mostrando a sua qualidade e benefícios para a introdução da alimentação de todos nós.  

Quando falamos em cozinhar com tomate verde todos ficam meio desconfiados. Na verdade, é fácil entender porquê. Todos os anos estamos habituados a assistir ao desperdício deste produto após as colheitas. Muitos consideram que o tomate verde não está próprio para consumo. Outros consideram que não é tão apetecível quanto o tradicional tomate vermelho. Ainda assim mostramos-lhe boas formas de adicional o tomate verde à sua dieta.

O certo é que se mudam os tempos e mudam-se as vontades. Hoje em dia, este é um produto cada vez mais valorizado por grandes chefes culinários. Para muitos, este produto é o complemento perfeito a muitos pratos. Conferindo-lhes assim a acidez perfeita, a textura e o pop de cor.

Para o ajudar a brilhar nas refeições, partilhamos consigo duas sugestões de receitas que implicam o uso do tomate verde.

Compota de tomate verde

  • Custo: Económico
  • Tempo de confeção: Demorado
  • Nível de Dificuldade: Fácil

Esta é provavelmente a sugestão mais simples e apetecível para os que não podem passar sem doces. Seja para colocar no pão, em tostas ou em cima de umas bolachas – esta será sempre uma boa alternativa.

Para esta receita o que irá precisar dos seguintes ingredientes:

  • 1kg de tomate verde;
  • Meia lima;
  • 700g de Açucar

Preparação:

Após reunir todos os ingredientes está na hora de colocar as “mãos na massa”. Comece este por lavar extremamente bem os tomates verdes. Não se esqueça de retirar o pêndulo. De seguida, corte os tomates em fatias extremamente finas.

Após cortadas as fatias, coloque-as num tacho juntamente com açúcar. Para garantir que o açúcar se funde na perfeição, alterne as camadas de tomate com camadas de açúcar. Reserve o tacho com os ingredientes e deixe-os a repousar cerca de 24 horas.

Lave a lima e procure cortá-la em rodelas muito finas e de seguida corte-as em 4 partes iguais. Adicione a lima ao tomate e açúcar previamente preparados. Leve todos os ingredientes ao lume e deixe cozinhar em lume brando.

Irá perceber que atingiu a o ponto perfeito de cosedura quando atingir o ponto de estrada. O ponto estrada é atingido quando ao mexer a mistura, esta abrir uma espécie de “estrada” do fundo do tacho.

Não se esqueça de ir mexendo a mistura durante o processo de cozedura.

Após cozinhado, deixe arrefecer um pouco e coloque o doce dentro de frascos. Para evitar o desperdício use frascos de vidro de que tenha em casa guardados de outros produtos. Quando estiver frio, feche os frascos e conserve-os. Está pronto a comer!

Tomates verdes fritos

  • Custo: Económico
  • Tempo de confeção: Rápido
  • Nível de Dificuldade: Fácil
  • Quantidade: 4 porções

 Esta é daquelas receitas que não são típicas em Portugal, mas após experimentar vai desejar já ter comido antes. Para esta incrível receita de tomate verde frito, vai necessitar dos seguintes ingredientes:

  • 1/4 de chávena de farinha
  • 2 ovos (batidos)
  • 1/2 chávena de farinha de milho 
  • 4 a 6 tomates verdes (fatiados com a grossura de mais ou menos um dedo)
  • Sal (a gosto)
  • Pimenta (a gosto)
  • Óleo vegetal para fritar

Preparação:

Comece por juntar todos os ingredientes.

De seguida divida em três tigelas (de tamanho considerável para caber as fatias de tomate) a farinha, os ovos batidos e farinha de milho.

Tempere as fatias de tomate com pimenta e sal a gosto. De seguida, pegue nas fatias e polvilhe levemente com farinha e mergulhe no ovo. Deixe escorrer o excesso e de seguida passe pela farinha de milho.

Numa frigideira funda, coloque o óleo para que se proceda à fritura.

Frite as fatias de tomate previamente envolvida nos ingredientes até ficarem com um aspeto dourado.

Estas são apenas duas das receitas que fazem uso deste produto que tem vindo a ganhar importância nas cozinhas. Por isso, e cientes das particularidades deste produto, desafiamo-lo a experimentar. Assim não estará apenas a fazer a vontade ao seu paladar. Estará também a fazer a vontade ao seu ambiente – evitando o desperdício alimentar!

O Potencial escondido do Tomate Verde

O tomate é um dos alimentos de origem vegetal mais populares em todo o mundo. Todos os anos são produzidas e utilizadas toneladas de tomates nas mais variadas formas e nos mais variados pratos: em sopas, molhos,  saladas, assados, cozidos – tanto pelos consumidores, como pela própria indústria.

O tomate vermelho é sem dúvida o mais conhecido e mais utilizado para todos estes fins, e o cultivo deste alimento nas quantidades em que este é requisitado, infelizmente, também tem um efeito secundário menos apetecível: o desperdício.

Na altura da colheita do tomate, as toneladas de tomates verdes produzidas são rejeitadas pela indústria, devido ao facto de não serem vermelhos, não cumprindo com os requisitos da mesma. Isto faz com que toneladas e toneladas de tomates verdes sejam desperdiçadas todos os anos.

O Tomate Verde faz mal à Saúde?

Há algum receio em relação ao consumo do tomate verde – não confundir com a espécie de tomate verde em si, mas o tomate vermelho não amadurecido – devido a uma substância que se pode encontrar nele e que pode ser tóxica: a solanina.

Encontra-se normalmente em maior concentração debaixo da casca do tomate, em maior concentração ainda se o tomate for verde. No entanto, é uma substância tóxica presente em muitos outros alimentos, como a batata, a beringela, e outros vegetais da família das solanáceas, e seria preciso ingerir uma quantidade considerável destes para ter um efeito realmente tóxico no corpo.

Como podemos utilizar o Tomate Verde?

Há formas de reduzir o impacto da solanina na nossa saúde, como por exemplo a fermentação.

Desta forma, o tomate verde pode ser usado com toda a segurança em molhos, chutneys, marmeladas, conservas, e ainda tem a vantagem de ser probiótico, graças ao processo de fermentação antes da sua utilização.

Há, também, muitos países onde os tomates verdes são utilizados em pratos típicos de certas regiões. Uma dessas conhecidas receitas até deu origem a um filme nos anos 90, chamado “Tomates Verdes Fritos”.

Receita de Tomates Verdes Fritos à Americana

Se fosse feita uma lista dos pratos típicos do sul dos Estados Unidos da América, os tomates verdes fritos seriam, sem dúvida, mencionados com destaque. Os habitantes do sul dos Estados Unidos já fritam tomates verdes há muito, mas este prato tornou-se popular a nível nacional graças a um livro lançado no final da década de 80, chamado “Fried Green Tomatoes at the Whistle Stop Cafe”, escrito por Fannie Flagg. O título do livro traduz-se para “Tomates Verdes Fritos no Café Whistle Stop”.

Ingredientes:

4 tomates verdes

Sal (a gosto)

Pimenta preta moída na hora (a gosto)

Gordura de Bacon ou algum tipo de óleo para fritar

1 chávena de farinha de milho

2 ovos grandes

Como Fazer:

  • Cortar os tomates em fatias com cerca de 1cm ou 1,5cm de largura. Temperar com sal e pimenta a gosto.
  • Deixar as fatias de tomate a temperar e depois secá-las com papel de cozinha
  • Colocar numa frigideira cerca de 1cm de óleo para fritar sobre lume médio
  • Colocar a farinha de milho numa taça pouco funda
  • Noutra taça, bater os ovos
  • Passar as fatias de tomate pelos ovos e depois pela farinha de milho até estarem completamente cobertas
  • Quando o óleo estiver quente, fritar as fatias de tomate até estarem douradas, virando-as gentilmente quando necessário até ambos os lados estarem iguais.
  • Coloque as fatias de tomate fritas sobre papel de cozinha e depois deixe-as num suporte até arrefecer para servir

Podem ser servidos como tapas ou acompanhamento.

Desperdício Alimentar – Prejudica o Ambiente, Prejudica-nos a Todos

Nos dias que correm, como consumidores devemos ser mais conscientes das nossas escolhas. O que compramos, onde compramos, em que quantidades, de onde vêm estes produtos, como foram plantados – tudo questões importantes para as quais nem sempre é fácil encontrar resposta.  

A indústria da produção alimentar utiliza e desperdiça muitos recursos e só recentemente é que se começou a pensar na sustentabilidade desta indústria que tem um grande impacto ambiental.

Apesar disso, 50% do desperdício alimentar ocorre também nas nossas casas. Isso quer dizer que podemos solucionar metade deste problema mudando alguns dos nossos hábitos!

Dicas para Reduzir o Desperdício Alimentar em Casa

1. Planear

Planear antecipadamente as nossas refeições para a semana é uma forma de sabermos ao certo o que precisamos de comprar e em que quantidades. Podemos também planear consoante o que já temos em casa e complementar isso quando formos às compras. Há inclusive aplicações para o smartphone que nos sugerem receitas com base naquilo que temos em casa. 

Desta forma evitamos as compras de impulso e cria menus mais equilibrados e variados. 

2. Comprar

Sempre que possível, compre produtos:

a granel: nem todos as superfícies comerciais têm esta opção mas cada vez mais sítios têm. É mais eficiente comprar comida nas quantidades certas assim, e evitamos usar tantas embalagens também. 

locais: para além de serem mais frescos e nutritivos, evita-se a poluição dos transportes de longa distância e apoiamos os produtores locais. 

biológicos: estes produtos são produzidos sem pesticidas. Assim podemos aproveitar todo o produto, incluindo as cascas onde se acumulam tantos nutrientes – mas também os pesticidas no caso da agricultura não biológica. 

Há cada vez mais produtores que vendem cabazes de produtos biológicos de vários tamanhos, com várias opções de produtos e alguns até entregam ao domicílio.

feios e deformados: a qualidade é a mesma e o preço pode ser menor. Há iniciativas para combater o desperdício alimentar que se focam mesmo na revenda de produtos rejeitados por serem “feios”.

3. Prazos de Validade 

É útil sabermos as diferenças entre prazos de validade:  “Consumir até…” aplica-se a produtos perecíveis e é para ser levado à letra, já que quando os consumimos depois dessa data consumi-los corremos o risco de adoecer. “Consumir de preferência antes de…” aplica-se a produtos não perecíveis, embalados ou enlatados e, tal como o nome indica, é uma “preferência” – não é imediatamente lixo e é seguro consumi-los depois desta data.

Quando vemos promoções generosas ou o famoso “leve 2 pague 1” aplicado a produtos no fim da sua validade, devemos avaliar se precisamos mesmo dessa quantidade de produto ou se o barato vai acabar por sair caro.

4. Conservar e armazenar

Quando abastecemos o nosso frigorífico ou despensa devemos:

– Ter atenção à temperatura ideal para frigorífico (1 a 5º C) e do congelador (-15 a -18ºC);

– Cumprir as instruções das embalagens dos produtos;

– Organizar correctamente os produtos – quando compramos um novo produto este deve ser colocado atrás do mais antigo tanto no frigorífico como na despensa. Assim o produto mais antigo será o primeiro a ser utilizado; evitando assim tanto a formação de bolores como a utilização do produto com prazo mais longo em vez do produto com a validade mais curta.

5. Cozinhar

Quando preparamos as nossas refeições, devemos ter a certeza de que estamos a cozinhar doses adequadas ao número de pessoas que depois vai consumir essa refeição. 

No caso de não termos oportunidade de cozinhar diariamente e precisarmos de cozinhar mais refeições para outros dias, o ideal é depois congelar cada dose individualmente.  Na altura de servir devemos optar por porções mais pequenas e depois repetir se quisermos mais. Comer em demasia prejudica a saúde e conduz ao desperdício.

6. Aproveitar

O que fazer quando sobra comida?

Podemos guardá-la no frigorífico, preferencialmente dentro de um recipiente de vidro transparente que irá aguentar-se cerca de três dias desta forma. Podemos levar essa refeição para o trabalho ou consumi-la noutra ocasião.

Congelar pão às fatias, ervas aromáticas em cuvetes com azeite, fruta madura para fazer gelados batidos e bolos.

Fazer caldos, compotas, pickles, smoothies –  existem mil e uma receitas para aproveitamento de sobras ou diferentes formas de utilizar os ingredientes que temos. Estão à distância de um clique, são gratuitas e valem sempre a pena explorar!

tomate-industrial

Portugal é um dos maiores produtores de tomate na União Europeia, sendo responsável, juntamente com Itália e Espanha, por fornecerem quase três quartos do fruto. 

A produção de tomate em Portugal é essencialmente de tomate para a indústria. O tomate industrial para produção de concentrado, destaca-se pela acentuada cor vermelha quer do exterior quer da polpa e esta seleção inicia-se logo no processo de apanha, quando as máquinas de colheita detetam e separam no campo, o tomate a partir da cor exterior. 

Sabia que*? 

  • na campanha de 2015, as máquinas de colheita deixaram nos campos uma média de 6 toneladas de tomate verde por hectare; 
  • o que equivale a um desperdício de 112 mil toneladas de tomate verde só numa campanha? 

segundo estudos do CCTI – Centro de Competências para o Tomate de Indústria 

É necessário valorizar na cadeia alimentar este tomate verde não colhido, através da criação de novos produtos. 

Nesse sentido, foram criados Grupos Operacionais (GO) que têm como objetivo a promoção da inovação no setor agrícola nacional no quadro da Parceria Europeia para a Inovação (PEI) para a produtividade e sustentabilidade agrícola. 

Grupos Operacionais, que objectivo? 

  • são parcerias constituídas por entidades de natureza pública ou privada que se propõem desenvolver um plano de ação visando a inovação no setor agrícola; 
  • em cooperação, desenvolvem esforços para realizar projetos de inovação que respondam a problemas concretos ou oportunidades que se coloquem à produção; 
  • contribuam para atingir os objetivos e prioridades do Desenvolvimento Rural, nas áreas temáticas consideradas prioritárias pelo setor tendo em vista a produtividade e sustentabilidade agrícolas. 

Tendo em conta este contexto e reconhecendo a importância económica e valor acrescentado, que traria ao setor agroindustrial o aproveitamento desta matéria-prima, tomate verde desperdiçado nas campanhas, foi criado um GO para se dedicar ao estudo desta possibilidade. A este GO chamou-se: GreenTaste. 

O objetivo principal do GreenTaste é criar uma nova base alimentar com potencial para a indústria de molhos e temperos, a partir da fermentação láctica controlada, de tomate não amadurecido. 

Entidades que integram o Grupo Operacional GreenTastedada a importância da cooperação entre os setores da investigação, produção e indústria: 

  • CCTi – Associação para a Investigação e Inovação no Setor (entidade líder do GO) 
  • EspiralPixel, Lda. 
  • Fruto Maior, Organização de Produtores Hortofrutícolas, Lda. 
  • INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária IP 
  • ISA – Instituto Superior de Agronomia, Universidade de Lisboa 
  • ITALAGRO – Indústria de Transformação de Produtos Alimentares, S.A. 
  • Memória Silvestre, Lda. 
  • SAVA – Sociedade Agro-Pecuária do Vale da Adega, S.A. 
  • SAOC – Sociedade Agrícolaa Ortigão Costa, Lda. 
  • SOLUZER – Sociedade Agrícola, Lda. 
  • TOMATERRA – Organização de Produtores de Tomate CRL 

Sabia que? 

  • tomate verde pode ser usado no fabrico de diversos tipos de produtos/conservas alimentares, como: tomate verde frito, molho cocktail, molho tártaro, chutney, marmeladas; 
  • os vegetais fermentados são uma alternativa ao consumo de hortofrutícolas frescos, sendo isentos de adição de conservantes ou de outros aditivos sintéticos. 

tomate

GreenTaste é um projeto cofinanciado pena União Europeia, a decorrer até 2021 e que se dedica a estudar o potencial da utilização do tomate verde perdido anualmente nos campos na fase da campanha, de forma a que este possa vir a ser aproveitado e utilizado no nosso quotidiano. 

Acções em desenvolvimento: 

  • permitir a criação de uma nova gama de produtos nas indústrias de molhos e temperos, a partir da nova base; 
  • verificar o valor probiótico do fermentado conseguido, promovendo mais saúde e bem-estar; 
  • conseguir uma nova fonte de rendimento para os produtores agrícolas, dando viabilidade económica ao tomate rejeitado; 
  • anular o desperdício energético de produzir tomate que não é industrialmente aproveitado; 
  • caracterizar o mercado internacional de molhos e temperos, verificando a possibilidade de se conseguirem vantagens competitivas nacionais para acompanhar as tendências previstas; 
  • viabilizar o aumento de produção de tomate de indústria maduro (em valores absolutos), pela deslocação do ótimo económico para níveis de produção mais altos.

Agora que já sabe um pouco mais sobre as potencialidades do tomate verdeesteja atento à evolução dos trabalhos do GreenTaste. 

Acompanhe-nos em greentaste.pt e apoie a agricultura portuguesa!